Conclusão do Estágio de ser Pai

Salvador, 4 de fevereiro de 2014

Depois de longos e maravilhosos 9 meses estágio chegou a hora de apresentar o meu relatório de conclusão do mesmo, na empresa Pai de Thor. Porém, tudo começou muito antes, quando em Porto Seguro escolhi a pessoa que me proporcionaria tamanha felicidade. Eram os idos de 1997 e a escolha não poderia ter sido melhor. Depois de 5 anos de “tempo de experiência” finalmente selamos o acordo oficialmente diante de um clérigo e centenas de testemunhas que lotaram a igreja. Apesar do clima religioso, sempre me orgulhei em dizer que “não casei para fins de reprodução”, e era a mais pura verdade. Casei para curtir uma vida à dois, sem me preocupar, nem esperar a vida uma terceira “pessoinha” no meio.

Passaram-se 8 anos e finalmente decidimos quer era seria a hora certa de ingressar nesse estágio, que hoje se finda. Mas na capoeira aprendi que “a fruta só dá no tempo”, e por problemas “endometrióticos”, o tempo não era o propício. E surgiram as cirurgias, o drama, as noites mal dormidas, os choros, o desespero, e mais cirurgias. Talvez o problema fosse em mim, e aí diversas consultas, exames e testes foram efetuados. Cheguei a criar um vínculo afetivo com o potinho do espermograma, mas apenas um caso passageiro. Até que um médico teve a capacidade e sutileza de dizer para quem tanto queria, que algumas mulheres não nasceram para o ofício de ser mãe. Bem, quem me conhece sabe o quanto eu gosto de ouvir: você não vai conseguir.

Enfim, tomei uma decisão acertada. Determinei que faríamos uma inseminação artificial em 2014 e cumpriria a minha meta de adolescente, de fazer esse estágio com 36 anos (o dobro de 18). Contudo senhores, mas uma vez descobri que a gente não diz a hora em que fruta irá dar. Relaxada com a agora falta de cobrança de ser aquilo pra o qual “não nascerá”, enfim me deram o “golpe da barriga” pra me prender, depois de  16 anos.

ATÉ QUE…

Começou como uma suspeita, virou um exame, transformou-se numa certeza via internet, num almoço dentro de um shopping, e coincidiu com a entrada de “ciscos nos olhos” dos pais. Contamos a família Correia e pedimos discrição. Contamos a família Cerqueira, pedimos o mesmo, mas em segundos toda o facebook já tinha conhecimento do caso. E assim começou o estágio.

Tive a felicidade de aproveitar cada segundo. Curti o não-tamanho da barriga no primeiro mês, acompanhei os seios virando fábrica de laticínios. Vibrei com a percussão do coração daquele ponto que piscava na tela preta e o médico insistia em dizer que era meu filho. Estudamos muito para encontrar um nome e decidimos que qual Renato Russo, queríamos “um nome mais bonito”. E ao invés de santo, porque não um nome de um deus. Depois de escolhido passamos a parte de convencimento dos seres que nos cercam. Explicações, histórias contadas até o convencimento que Thor é nome de gente, assim como Amy, Mel e Mila, também o são.

Superado essa fase o bebê passou a fazer milagres e já pode ser canonizado. Aprendi a dirigir, algo que nunca tive vontade de fazer, mas que se tornou necessário. Virei assistente de pintor, 2º armado de berço e guarda-roupa, técnico em aspiração de pó, suplente de encerador de chão, decorador de quarto infantil e essas foram apenas algumas das atividades inusitadas realizadas no estágio. Com o passar dos meses a barriga foi crescendo e as sessões de ultrassom 4d passaram a ser o dia mais esperado do mês. O rosto da criação mais perfeita desse designer, se desenhava aos poucos, numa espécie de textura fractal sépia, que revelava o queixo, a boca parecida com a minha, os olhos depois até dando língua para todos nós. Era um sonho materializando-se como uma marca que surge no storyboard branco. Uma sensação estranha se desenhava. De realização de algo que nem foi iniciado. E tudo se resumia a imagens num computador.

Até que em outubro de 2013 ouvi uma pergunta simples, que mexeu comigo: e aí, preparado?
A resposta foi direta: claro… que não.

Ninguém se prepara para isso. Podemos nos preparar para o dia do parto, para a chegada em casa, para sairmos de carro no dia do parto, mas pra ser pai, não há preparação. Hoje, há dois dias do fim do estágio, me sinto tão apto quanto um médico que sai da faculdade para operar um coração de um cardíaco. Não há como. Estou ansioso, tenso e apaixonado. E um homem apaixonado está longe de ser preparado para qualquer coisa…

Converso e canto para uma barriga que se mexe ao som da minha voz. Ciscos caem constantemente nos olhos quando acordo a noite e olho pra o lado. Quando penso que transformei meus pais, em pais, e agora os graduo como avós. Quando imagino a felicidade das duas novas tias babonas e do tio “retirante” em São Paulo. A alegria da família Cerqueira inteira quando soube da notícia. A festa na família da mãe que acompanhou de perto os 5 anos de luta e cirurgias. Da madrinha de Thor que chegou a pensar em ser “barriga de aluguel” para que ele viesse. Do padrinho que sempre esteve próximo e junto com os pais dele. Ou simplesmente quando escrevo isso e me vêm a mente tudo que foi necessário passar pra concluir esse estágio.

CONCLUSÃO

Declaro por encerrado o meu estágio e aguardo aprovação para assumir no dia 6/2/2014, a função de Pai de Thor em definitivo. Declaro-me apto para as noites mal dormidas, o choro notívago, as privações no espaço da cama, o choro notívago, as trocas de fraldas, os choramingos para ir ao colo, Galinhas Pintadinhas e PatatisPatatás na TV, o choro notívago, sessões de vacinas, horário limite na praia, visitas aos avós, o choro notívago e as festas de crianças.

Que o príncipe Thor, filho de Erick, chegue com as bênçãos de Deus, o amor de Jesus, a luz dos espíritos superiores, a graça de Buda, a força dos Orixás e a paz de Jah, num sincretismo religioso maravilhoso e cheio de saúde.

 

Erick Cerqueira
4 de fevereiro de 2014, às 3:00h da madrugada.

Globo: piada nacional

O que era pra ser um protesto sério, para mobilizar a “opinião publica” contra uma decisão que desagradava a emissora Vênus Platinada, virou uma piada sem tamanho.

A publicação de uma foto das atrizes da novela das 8 (que começa às 9), em protesto contra a decisão do STF de aceitar os embargos infringentes, todas de preto e caras tristes era pra mobilizar a população. Uma das muitas tentativas de criar uma “imagem viral” feito pela Rede Globo. Não deu certo. O novo golpe da emissora, quase uma patrocinador do julgamento do Mensalão petista, encontrou uma população mais reticente e sarcástica. A foto das atrizes desfilou pelas redes sociais em montagens engraçadas. As atrizes globais receberam o apoio apenas da família de Xanddy e Carla Perez, que obviamente entraram nas charges e montagens também. Ou seja, não colou.

Lembrei-me do tempo em que as “malandragem” da Globo passavam impune. Como no apoio à ditadura, da manipulação do debate de Collor x Lula assumida pelo Boni, a bolinha de papel que levou a Serra a fazer tomografia na cabeça e do William Bonner chamando ao público do JN de Hommer Simpson. Tudo isso passou, mas não tivemos uma resposta contundente da população. A Globo viria a ser piada no caso #CalaBocaGalvão, que deu até no New York Times. Na tentativa de Bonner de desestabilizar a candidata Dilma Rousseff na entrevista pré-eleição, sendo repreendido em público, e ao vivo, pela sua esposa Fátima Bernardes. Até Alex, craque do Coritiba, deu suas “alfinetadas” na emissora, criticando o absurdo horário das partidas de futebol às 21:50h, depois da novela. Um desrespeito ao torcedor que se estendeu ao vôlei, onde na SuperLiga as partidas tiveram seu tempo diminuídas para se adequarem a programação, gerando protesto dos jogadores. Sem contar no caso clássico de piada que foi a luta “ao vivo” do Junior Cigano, que começou trinta minutos após o término do evento e os protestos raivosos contra a emissora durante a Copa das Confederações.

Nas mídias sociais passou a ser chamada de “rede Bobo” ou “rede Esgoto” de Televisão, porém, quase sempre consegue dominar os Trending Topics, do Twitter. A sua popularidade ainda está em alta, isso é evidente, afinal esse texto fala exatamente sobre isso. Mas a sua credibilidade vem diminuindo muito rápido. Nos últimos 12 anos, o JN perdeu 1 em cada 3 dos seus expectadores. Foram incríveis 33% de queda em pouco mais de uma década. Ainda assim, é de longe o telejornal mais assistido no país.

As novelas mantêm-se líderes de audiência, mas ainda assim, bem abaixo do que já foram. Antigamente marcávamos horário de ligações para namoradas (sim, havia vida sem celular), para antes ou depois da novela das 7 ou das 8. Hoje, muitos nem sabem o nome da novela que está passando. Em “será o fim do horário nobre?“, citei o crescimento da internet e dos canais fechados como principais responsáveis pela queda global, mas não imaginei que alguns erros da “toda poderosa” pudessem contribuir tanto para o descrédito crescente da empresa.

Amaury Ribeiro e Rodrigo Lopes, do jornal Hoje em Dia, detonaram uma bomba sobre a emissora carioca. A Rede Globo recebeu 776 notificações da Receita Federal nos últimos dois anos. Uma incrível média de 11 notificações por semana. Além desses processos a empresa foi multada pela Receita Federal em mais de 1 bilhão de reais, por manobra contábil proibida, descrita no processo como “cheia de artificialismos”.

Diante de tantas acusações, problemas fiscais, multas bilionárias, manipulações políticas, descrédito com a população, adequação do esporte à sua conveniência, desrespeito ao seu telespectador, queda livre de audiência, penso que o luto das atrizes deveria ter outro motivo. As carpideiras globais jamais serão esquecidas, diferente do nome da novela em que elas atuam. #GloboFailAgain