Pessoal

Conclusão do Estágio de ser Pai

Salvador, 4 de fevereiro de 2014

Depois de longos e maravilhosos 9 meses estágio chegou a hora de apresentar o meu relatório de conclusão do mesmo, na empresa Pai de Thor. Porém, tudo começou muito antes, quando em Porto Seguro escolhi a pessoa que me proporcionaria tamanha felicidade. Eram os idos de 1997 e a escolha não poderia ter sido melhor. Depois de 5 anos de “tempo de experiência” finalmente selamos o acordo oficialmente diante de um clérigo e centenas de testemunhas que lotaram a igreja. Apesar do clima religioso, sempre me orgulhei em dizer que “não casei para fins de reprodução”, e era a mais pura verdade. Casei para curtir uma vida à dois, sem me preocupar, nem esperar a vida uma terceira “pessoinha” no meio.

Passaram-se 8 anos e finalmente decidimos quer era seria a hora certa de ingressar nesse estágio, que hoje se finda. Mas na capoeira aprendi que “a fruta só dá no tempo”, e por problemas “endometrióticos”, o tempo não era o propício. E surgiram as cirurgias, o drama, as noites mal dormidas, os choros, o desespero, e mais cirurgias. Talvez o problema fosse em mim, e aí diversas consultas, exames e testes foram efetuados. Cheguei a criar um vínculo afetivo com o potinho do espermograma, mas apenas um caso passageiro. Até que um médico teve a capacidade e sutileza de dizer para quem tanto queria, que algumas mulheres não nasceram para o ofício de ser mãe. Bem, quem me conhece sabe o quanto eu gosto de ouvir: você não vai conseguir.

Enfim, tomei uma decisão acertada. Determinei que faríamos uma inseminação artificial em 2014 e cumpriria a minha meta de adolescente, de fazer esse estágio com 36 anos (o dobro de 18). Contudo senhores, mas uma vez descobri que a gente não diz a hora em que fruta irá dar. Relaxada com a agora falta de cobrança de ser aquilo pra o qual “não nascerá”, enfim me deram o “golpe da barriga” pra me prender, depois de  16 anos.

ATÉ QUE…

Começou como uma suspeita, virou um exame, transformou-se numa certeza via internet, num almoço dentro de um shopping, e coincidiu com a entrada de “ciscos nos olhos” dos pais. Contamos a família Correia e pedimos discrição. Contamos a família Cerqueira, pedimos o mesmo, mas em segundos toda o facebook já tinha conhecimento do caso. E assim começou o estágio.

Tive a felicidade de aproveitar cada segundo. Curti o não-tamanho da barriga no primeiro mês, acompanhei os seios virando fábrica de laticínios. Vibrei com a percussão do coração daquele ponto que piscava na tela preta e o médico insistia em dizer que era meu filho. Estudamos muito para encontrar um nome e decidimos que qual Renato Russo, queríamos “um nome mais bonito”. E ao invés de santo, porque não um nome de um deus. Depois de escolhido passamos a parte de convencimento dos seres que nos cercam. Explicações, histórias contadas até o convencimento que Thor é nome de gente, assim como Amy, Mel e Mila, também o são.

Superado essa fase o bebê passou a fazer milagres e já pode ser canonizado. Aprendi a dirigir, algo que nunca tive vontade de fazer, mas que se tornou necessário. Virei assistente de pintor, 2º armado de berço e guarda-roupa, técnico em aspiração de pó, suplente de encerador de chão, decorador de quarto infantil e essas foram apenas algumas das atividades inusitadas realizadas no estágio. Com o passar dos meses a barriga foi crescendo e as sessões de ultrassom 4d passaram a ser o dia mais esperado do mês. O rosto da criação mais perfeita desse designer, se desenhava aos poucos, numa espécie de textura fractal sépia, que revelava o queixo, a boca parecida com a minha, os olhos depois até dando língua para todos nós. Era um sonho materializando-se como uma marca que surge no storyboard branco. Uma sensação estranha se desenhava. De realização de algo que nem foi iniciado. E tudo se resumia a imagens num computador.

Até que em outubro de 2013 ouvi uma pergunta simples, que mexeu comigo: e aí, preparado?
A resposta foi direta: claro… que não.

Ninguém se prepara para isso. Podemos nos preparar para o dia do parto, para a chegada em casa, para sairmos de carro no dia do parto, mas pra ser pai, não há preparação. Hoje, há dois dias do fim do estágio, me sinto tão apto quanto um médico que sai da faculdade para operar um coração de um cardíaco. Não há como. Estou ansioso, tenso e apaixonado. E um homem apaixonado está longe de ser preparado para qualquer coisa…

Converso e canto para uma barriga que se mexe ao som da minha voz. Ciscos caem constantemente nos olhos quando acordo a noite e olho pra o lado. Quando penso que transformei meus pais, em pais, e agora os graduo como avós. Quando imagino a felicidade das duas novas tias babonas e do tio “retirante” em São Paulo. A alegria da família Cerqueira inteira quando soube da notícia. A festa na família da mãe que acompanhou de perto os 5 anos de luta e cirurgias. Da madrinha de Thor que chegou a pensar em ser “barriga de aluguel” para que ele viesse. Do padrinho que sempre esteve próximo e junto com os pais dele. Ou simplesmente quando escrevo isso e me vêm a mente tudo que foi necessário passar pra concluir esse estágio.

CONCLUSÃO

Declaro por encerrado o meu estágio e aguardo aprovação para assumir no dia 6/2/2014, a função de Pai de Thor em definitivo. Declaro-me apto para as noites mal dormidas, o choro notívago, as privações no espaço da cama, o choro notívago, as trocas de fraldas, os choramingos para ir ao colo, Galinhas Pintadinhas e PatatisPatatás na TV, o choro notívago, sessões de vacinas, horário limite na praia, visitas aos avós, o choro notívago e as festas de crianças.

Que o príncipe Thor, filho de Erick, chegue com as bênçãos de Deus, o amor de Jesus, a luz dos espíritos superiores, a graça de Buda, a força dos Orixás e a paz de Jah, num sincretismo religioso maravilhoso e cheio de saúde.

 

Erick Cerqueira
4 de fevereiro de 2014, às 3:00h da madrugada.

253 anos de Camaçari e o meu amor por ela

28 de Setembro é o aniversário da minha segunda cidade.

Estou tão impregnado de Camaçari que quando encontro alguém na rua em Salvador me perguntam: “e sua cidade, como está?”

Conheço a cidade desde 1999 quando fui indicado, pelo então DCE da UCSAL, para montar as carteirinhas de estudante da UNE no município. Infelizmente um pilantra de nome George, sobrinho do finado vereador Pedrão, roubou todo mundo e me deixou num prejuízo considerável.

Mas Deus não quer nada errado e apresentou-me algo maravilhoso para contrapor o “golpe”. A arte camaçariense. E aí começava o meu romance com a cidade.

Fui apresentado à Fundação Cultural Ca&Ba e consequentemente à cultura de Camaçari. Desde então, ao lado de Wilson Bizerra, fizemos muita coisa na cidade. Festivais de Monólogos (IV, V, VI, VII, VIII, IX), uns 6 Festivais Pluriculturais, vários anos de TAE – Teatro Ação Educar, eventos em praça pública, arrastões culturais… Desenvolvemos o primeiro site sobre cultura do município, e até hoje, somos um dos mais visitados do município. Caso procure no Google as palavras Camaçari e Cultura, encontrarás o nosso site entre os 5 primeiros. O site da Fundação surgia no ano 2000 e em 2004 inaugurávamos o nosso primeiro Portal do Ca&Ba. Éramos uma referência na cidade. Ganhávamos prêmios em festivais de teatro e música em outras cidades e estados. Tínhamos autonomia mesmo sendo de oposição ao Governo da época.

Finalmente, na campanha de 2004, conseguimos tirar o carlismo do poder. Numa aliança entre o nosso candidato, Ferreira Ottomar e o candidato do PT, ajudamos a eleger o prefeito Luiz Caetano. Fomos chamados para compor a melhor equipe de uma Secretaria do Governo Caetano. A Coodec – Coordenação de Cultura, juntou os melhores valores culturais da cidade, sob o comando de Ivanildo Antonio.

Wilson Bizerra nos projetos; Cilene Guedes, Elisângela Sena, Daniel Dali, Tati Pinheiro, Isabel Celi, Joan Celi no Teatro; Na dança Claudia Guedes e Vânia Costa; na poesia Rose Leão, Emerson Leandro, Jorge Poeta; nas artes plásticas Marivalda; a música Bule-Bule, Islanne Michele, Teka ONeil, Eudes Lindemberg, Adah Brito, Enoque Norberto, Ireno Finger, Eric Mazzoni, Nino Bessa; nas Bibliotecas Jucilene, as Patrícias Porto e Almeida, Vaniele Bandeira, Silvia Brandão, Naldir Machado, Mônica Homem; e na Sede, Maíra Chaves, D’Vieira, Isaac de Cristo, palhaço Bananinha… Nossa! Quanta gente boa… Fizemos uma revolução na cidade.

Além desses artistas-colegas, outros muitos tive e tenho como amigos. Os Capoeiras Grandão, Zeca e Caio; as poetisas Zelina da Costa e Thais Dultra; o pessoal do Teatro da Cidade do Saber, encabeçados por Vadinha Moura; os músicos Rege FX, Carol Assemany, Nego D’água, Jái; os artistas saídos do Ca&Ba como Natasha Liss, Marcelo Mutakani, Bispo, Biuna e Bia Bizerra, Michael Junior, Alan, Anelisa, Isa Santos,  Cléber; além dos saudosos Alberto Martins, Índio de Arembepe e Vinicius Viana.

Paralelo à Coodec, que virou SECULT, desenvolvemos pela Fundação Ca&Ba o Brasil Alfabetizado e o Oxente Jornal. Aliás, o Oxente foi o ponto mais alto do meu trabalho na cidade.

Depois, com Elisângela Sena e Tati Pinheiro, realizamos o projeto Terreiradas – Um samba a porta de minha cumadi, onde produzimos um DVD com apresentações dos grupos de samba de roda da cidade e um site com as fotos dos encontros.

Talvez por todos esses eventos tenham feito de mim um camaçariense de coração. Por isso, hoje, 28 de setembro de 2011, posso dizer que tenho motivos para comemorar mais um aniversário dessa cidade, que marcou a minha vida.

Parabéns Camaçari pelos seus 253 anos. E se a árvore for chorar hoje, que seja somente de alegria…

Cultura é, e sempre será, Preciso!

Por Erick Cerqueira